OGIVA NUCLEAR

terça-feira, 29 de agosto de 2017

ESTE BLOG É O NUMERO 1 NA INFORMAÇÃO E NO QUE TOCA A REALIDADE GUINEENSE. NÃO EXISTEM DOIS PORQUE A ESTATISTICA FALA POR SI SÓ.
AQUI NÓS INFORMAMOS E DIZEMOS AS COISAS CRUAS TAL COMO ELAS SÃO E NÃO POR ACASO QUE MARCAMOS A DIFERENÇA A CADA DIA QUE PASSA.

SOMOS O BLOG DA VERDADE E DA CORAGEM. SOMOS A VÔZ DAQUELES QUE NÃO PODEM SER OUVIDOS DEVIDO AO MEDO E AO RECEIO. SOMOS O NUMERO 1.

A JUSTIÇA GUINEENSE É A NOSSA MAIOR VERGÔNHA. A VIDA HUMANA PARA A MAIORIA DOS ELEMENTOS DA NOSSA JUSTIÇA ESTA ABAIXO DE CÃO E É ASSIM QUE TRATAM AS ALMAS INJUSTIÇADAS E AS FAMILIAS ENLUTADAS.
LEIAM MAIS UMA POUCA VERGÔNHA DOS NOSSOS TRIBUNAIS! 
NINGUÉM NESTE QUADRANTE É CAPAZ OU TEM CORAGEM DE DEFENDER A VERDADE? PORQUÊ??? E SE FOSSE COM UM DE VOCÊS?

O Ministério Público guineense descobriu e sempre soube quem eram ou quem foram os presumíveis assassinos do português Jorge Quadros, profissional "free-lance" de audiovisual, morto em Novembro de 1993 em Bissau. 

No entanto e como sempre, a nossa justiça tem 6 pesos e 16 medidas, que entenda quem quiser entender e perceba quem quiser perceber.  É a esfera em que mais corrupção possa existir? Sim ou Não? Quem confia na nossa justiça?

Quatro elementos pertencentes à Segurança de Estado do ex-Presidente João Bernardo Vieira, "Nino", tinham sido  presos, e tendo sido ouvidos por um delegado da Procuradoria-geral da República, como sempre..., é ta obidu nan són..., mataduriss ta obidu són.

Um dos suspeitos é um capitão que estaria colocado em serviço no ministério do Interior.

O Ministério Público recusou-se a prestar declarações sobre este caso, mas sabe-se que Jorge Quadros "foi mandado abater por estar a revelar segredos de estado". E Doka Internacional, pergunta:
Que tipo de segredos poderiam estar na posse ou no conhecimento de Jorge Quadros???

Uma pessoa que esteve com Quadros poucas horas antes do crime afirmou que "ele andava nervoso e parecia recear qualquer coisa, razão que o terá levado, no dia anterior, a alugar um quarto no hotel 24 de Setembro".

Jorge Quadros foi morto na sua residência com cinco golpes de arma branca, a escassos metros do ministério da Informação.

Pouco antes de ser assassinado, terminara um trabalho para a Presidência da República. Nos primeiros tempos da sua estada na Guiné-Bissau, Quadros trabalhou como assessor de imagem de "Nino". Mas o seu assassinato foi pior que o atropelamento de um cão na via publica.  Assim vai a nossa terra no comando da maldade e da incompetência. 


Sem comentários:

Enviar um comentário